MINUTO METAL GODS: WARFARE NOISE, UM POUCO DA HISTÓRIA DO HEAVY METAL NACIONAL

MINUTO METAL GODS: WARFARE NOISE, UM POUCO DA HISTÓRIA DO HEAVY METAL NACIONAL

Música 14/04/2020

 

por Tom Jones Moreira

fonte das imagens em: https://www.discogs.com/Various-Warfare-Noise/release/2100642

 

METAL GODS MAGAZINE foi uma importante revista/zine dos anos 80 e esta coluna é uma forma de celebrar o melhor do Metal que foi tão bem representado nas páginas dessa revista idealizada pelo fotógrafo e editor Jaji, seu primo Yggy e por mim, seu irmão. HEADBANGERS FOREVER!

 

No ano de 1986 a Cogumelo Records lançou uma coletânea intitulada Warfare Noise com o objetivo de mostrar ao mundo a força da cena metálica de Minas Gerais. No ano de 2007 a coletânea foi remasterizada e lançada no formato Digipack.

 

E lá se passaram 33 anos (1987-2020) do lançamento de Warfare Noise em vinil, onde despontavam no cenário nacional as bandas: Chakal, Sarcófago, Multilator e Holocausto.

 

Se fosse separadamente, cada uma das quatro bandas lançaria o chamado E.P., mas, mesmo sendo pequeno o repertório apresentado das bandas, o que vimos e ouvimos na época ao longo dos anos se tornariam clássicos e passariam a ser nome de destaque em qualquer roda de bate papo dos headbangers.

 

Resgatando a história do metal nacional, a Cogumelo ainda relançou o álbum no formato Digipack de luxo com um belo e valioso encarte, onde destaque de jornais mineiros da época nos teletransportavam para o período de um cenário efervescente, no qual o assunto “heavy metal” era a tônica do dia a dia.

 

Os cenários inglês, americano e alemão contribuiram de maneira fenomenal com seus baluartes como: IRON MAIDEN, SAXON, GRAVE DIGGER, EXODUS, SLAYER, RUNNING WILD e KREATOR. Em contrapartida, o Brasil não ficava atrás e nomes como SEPULTURA, DORSALATLÂNTICA, KORZUS, OVERDOSE e KRISIUN, além das bandas que se destacam nesta matéria, agitavam o cenário local com garra e dedicação, produzindo uma fusão sonora, fazendo com que se confundisse com o do exterior. Os shows podiam não ser frequentes, mas a barulheira estava garantida. Aonde quer que fossem o espaço estava lotado, e com um diferencial: a plateia ficava repleta de verdadeiros fãs. Por isso que o termo “verdadeiro” foi tão usado e é até os dias de hoje. E aquela frase tão famosa “Death Of False Metal” se tornaria tão coloquial, e poria em cheque, quem era falso ou quem era verdadeiro!

 

O heavy metal se tornaria “religião” ou o “ar que se respira”, dois dos termos muito usados na época e que persiste até a atualidade!

 

Na nota do encarte assinada por Vladimir Korg e intitulada “Hell O Thrashers” é visível sua emoção ao escrever o texto. E tudo que foi dito é pura verdade, e mesmo que o texto esteja impregnado de saudades, não poderia ser diferente.

 


 

“Warfare Noise” – O conteúdo:

O CHAKAL apresenta três composições que são: “Cursed Cross”, “Mr. Jesus Christ” e “Children Sacrifice” (esta vem como bônus e faz parte do repertório do álbum “The Lost Tapes Of Cogumelo”).

O SARCÓFAGO traz cinco composições: “Recrucity”, “The Black Vomit” e “Satanas”. As faixas “Christ’s Death” e “Satanic Lust” são bônus, leia-se “The Lost Tapes...”.

O MUTILATOR vem com “Believers Of Hell”, “Nuclear Holocaust” (minha preferida), e dois bônus: “Evil Conspiracy” e “Visions Of Darkness”.

O HOLOCAUSTO apresentaria para o mundo três torpedos, na concepção da palavra, ou seja: “Destruição Nuclear”, “Escarro Napalm” e a faixa bônus “Massacre”, com um ótimo diferencial pois as letras são cantadas em Português, provando que era possível tocar rápido e cantar na língua pátria.

 

O álbum “Warfare Noise” deve ser apenas um início do que muitos viram para um verdadeiro resgate do nosso cenário, afinal as novas gerações de headbangers não só devem ouvir e conhecer, como têm a obrigação de conhecer como tudo começou.

 

E aí, o que acharam?  Entre em contato e compartilhe o link!

 

metalgodsmagazine@gmail.com

 

** Este texto conta as experiências e reflete a opinião do Tom**